Atividades para fala e o desenvolvimento da linguagem de 0 a 6 anos

Em conversas de mães, algumas vezes a dúvida aparece: meu filho fala muito ou pouco? O jeito dele falar está certo ou errado? A fonoaudióloga Larissa Craveiro explica que a primeira infância (0 a 6 anos) é a fase a qual a criança deve construir a linguagem e aprimorar a fala. Ela destaca a importância […]
Foto Pixaby
Foto Pixaby

Em conversas de mães, algumas vezes a dúvida aparece: meu filho fala muito ou pouco? O jeito dele falar está certo ou errado? A fonoaudióloga Larissa Craveiro explica que a primeira infância (0 a 6 anos) é a fase a qual a criança deve construir a linguagem e aprimorar a fala. Ela destaca a importância de estimular, de forma saudável e sem exageros, e indica uma série de atividades para encorajar a fala e ajudar no desenvolvimento da linguagem. 

Larissa lembra que a estimulação da linguagem e fala deve ser feita desde o nascimento, por meio da interação mãe-bebê, onde se estabelece as primeiras formas de comunicação. “Aproveite e desfrute de simples momentos com seu filho estes são fundamentais para todo o seu processo de desenvolvimento”, afirma a fonoaudióloga.

Veja a lista indicada pela fonoaudióloga Larissa Craveiro

Atividades para encorajar a fala e o desenvolvimento da linguagem de crianças de 0 a 6 anos

  • Quando sua criança começar a conversar, dê a ela toda a atenção possível.

  • Antes de começar a falar com seu filho, tenha certeza de que você tem toda a atenção dele voltada para você.

  • Reconheça, encoraje, elogie todas as tentativas dele de falar. Mostre que você entendeu a palavra ou a frase, repetindo-a.

  • Depois de falar, dê uma pausa. Isto dá ao seu filho a chance de continuar a conversa.

  • Dê continuidade à construção de um vocabulário. Apresente uma nova palavra e ofereça sua definição, ou use-a no contexto da frase. Torna-se mais fácil para a criança entender. Isto deve ser feito de maneira exagerada, engraçada, com humor. “Eu acho que eu vou dirigir um veículo para ir à padaria. Eu estou muito cansada para andar”.

  • Fale sobre orientações espaciais (primeiro, último, meio; direita e esquerda) e opostos (alto e baixo; ligado e desligado).

  • Ofereça descrições e dicas para seu filho identificar o objeto de sua explicação: “É gelado, doce e muito bom como sobremesa. Eu adoro o de sabor de morango” (sorvete).

  • Trabalhe na formação e na explicação de categorias. Mostre que um objeto não pertence ao grupo de outros objetos: “O sapato não fica no mesmo grupo da maçã ou da laranja; você não pode comê-lo; não é redondo; e não é uma fruta”.

  • Ajude seu filho a seguir comandos com duas ou três diferentes etapas: “Por favor, você pode ir ao seu quarto e me trazer um livro”.

  • Encoraje seu filho a dar orientações. Siga a orientação dele através da explicação de como ele constrói uma torre de blocos, lego, etc.

  • Brinque com o seu filho de “A casa”. Troque as regras da família, você agora é o filho e ele é o pai ou a mãe. Fale sobre os diferentes quartos e móveis da casa.

  • A televisão também pode ser uma ferramenta valiosa. Fale sobre o que seu filho está assistindo. Faça-o adivinhar o que acontecerá em seguida. Fale sobre os personagens. Eles estão felizes ou tristes? Pergunte a seu filho o que está acontecendo na história. Encene junto com ele e faça um final diferente da história.

  • Tire proveito de atividades da vida diária. Por exemplo, enquanto estiver na cozinha, peça a seu filho para nomear os objetos que vocês estão usando. Discuta as comidas que foram servidas no dia, as cores, a textura, o sabor. De onde vêm as comidas? De que comida você gosta? De qual não gosta? Quem vai limpar? Dê ênfase ao uso dos pronomes, perguntando a ele se o guardanapo é dele ou meu, se deve ficar em cima da mesa ou no seu colo, ou embaixo da colher. Identifique de quem é o guardanapo: “É meu guardanapo”, “É do papai”, “É dele”.

  • Quando estiver fazendo compras: discuta com seu filho o que você irá comprar, de que quantidade você vai precisar, e o que você vai fazer. Discuta sobre o tamanho (grande ou pequeno), forma (redonda, quadrada, comprida), e o peso (pesado ou leve) dos pacotes.

Fonte:
Larissa Naves Craveiro
Fonoaudióloga – CRFa. 6847 –DF
(61) 8408-9344 (61)3242-8859
alarissacraveiro@gmail.com

Gostou da ideia? Compartilhe com seu amigos!

comentários

Deixe uma resposta