A romantização do empreendedorismo materno

  Vamos conversar? Quinta-feira às 20:00hr  sexta às 15:00hr vamos bater um papo ao vivo sobre A ROMANTIZAÇÃO DO EMPREENDEDORISMO MATERNO com a LUD . Aqui mesmo, nesse post!!! Deixe seu email para te avisarmos quando estivermos no ar! UPDATE: Esse será um bate papo muito, muito especial.  A Rita Lisauskas autora do blog Ser mãe é padecer na internet, […]

 

Vamos conversar? Quinta-feira às 20:00hr  sexta às 15:00hr vamos bater um papo ao vivo sobre A ROMANTIZAÇÃO DO EMPREENDEDORISMO MATERNO com a LUD . Aqui mesmo, nesse post!!! Deixe seu email para te avisarmos quando estivermos no ar!

romantizacao do empreendedorismo matenoUPDATE: Esse será um bate papo muito, muito especial.  A Rita Lisauskas autora do blog Ser mãe é padecer na internet, do Estadão, mãe do Samuca e jornalista publicou essa semana o post PAREM DE ROMANTIZAR O EMPREENDEDORISMO MATERNO, POR FAVOR e como estamos todas no mesmo barco, mostrando perspectivas sobre o mesmo assunto, perguntamos se ela queria participar do nosso bate papo e ela ACEITOU! Então esse será um bate papo incrível. 😉 <3 . PARTICIPE

Talvez você que esteja lendo este texto, busque palavras de apoio, estimulo e compreensão para a decisão que tomou de se tornar empreendedora. Então, é provável este texto seja atípico.

Eu estava conversando com uma amiga e coachee que ainda não é mãe, acabou de mudar de carreira e está empreendendo. Minha pergunta foi: porque você ainda não é mãe? E ela me respondeu objetivamente que não sabe o que faria da vida se ficasse grávida. Ela ainda está tentando equilibrar saúde, família, vida social e a demanda de seu novo empreendimento e carreira, imagina um bebê?! Já uma outra amiga diz que escolheu o empreendimento pensando na futura vida com um bebê, queria ter mais tempo e a oportunidade de ficar junto com a criança.

 Empreendedorismo materno parece ser a mais nova oportunidade que as mulheres têm para conseguir equilibrar uma vida com filhos e uma vida profissional ativa, mas assim como todo tipo de moda ou tendência, deve ser avaliado com muitas ressalvas. Empreender não é para todas. 

Não se enquadre em padrões! Dê um “google” ai e vejam que notícias como essa, da executiva com mais de 10 anos de mercado que largou tudo para vender tapete e ficar com a filha, são disseminados, incentivados e tornam-se exemplos motivacionais para muitas mães que estão quebrando a cabeça para saber o que vão fazer quando a licença maternidade acabar. Por um lado, ver este tipo de exemplo serve de inspiração para aflorar o seu lado empreendedor, por outro, pode ser uma grande fonte de angústia se você não tiver a ideia ou a certeza de que é isso que você quer.

romantização do empreendedorismo materno

 

Pensando nisto, eu levantei alguns tópicos que experienciei para você questionar os reais motivos de querer empreender ou descobrir que na verdade está indo junto com a nova onda:

Onde você lê/ouve: Mães empreendem para FICAR MAIS TEMPO com seus filhos

Considere: Eu quero ter mais tempo para ficar com meus filhos

Essa é a mais comum. Várias mulheres deixam para trás uma grande carreira para empreender pois acreditam (ou te fizeram acreditar) que terão mais tempo para ficar com os filhos. Empreender, principalmente no início, não é sinal de ter mais tempo livre, pelo contrário! Hoje eu preciso ser muito mais organizada e ágil para fazer as coisas, e conseguir ter um pouco mais de qualidade de presença para meus pequenos. Ok, meus filhos me vêem o tempo inteiro, mas muitas vezes eu estou resolvendo várias questões por telefone ou email. Acaba que o tempo não se torna produtivo nem para mim, nem para eles.

Se o novo empreendimento vem junto a uma mudança de carreira (ex: você resolve aprender a fazer doces), o buraco é um pouco mais embaixo, pois você precisa aprender a ser uma empreendedora, a fazer doces E aprender a ser mãe (se é que isso é possível). Portanto, são muitos aprendizados quem levam ainda mais o tempo que você poderia estar com os filhotes.

 

Onde você lê/ouve: Executiva descobre HABILIDADES MANUAIS e resolve empreender para ficar com os filhos

Considere:  A minha atual profissão não me permite ter mais tempo para meu filho

Habilidades todos podem ter, mas ser mãe não é fácil, mudar de carreira também não, então vamos com calma? Primeiro: não deixe esses olhinhos lindos e sedentos pelo leite dos seus peitos te enganar! Não subestime esses olhinhos! Eles são capazes de fazer você listar vários motivos para abandonar aquela profissão que foi construída com tanto esforço, aquele MBA ou mestrado que foi pago centavo por centavo com o suor do seu trabalho. Neste momento talvez você não consiga enxergar tantas coisas legais assim na sua profissão, afinal, é ela que está sendo a causadora da separação mãe-filho.  

Tente tirar, por mais difícil que seja, o bebê da situação e avalie se você realmente está na profissão errada. Levante os motivadores que fizeram você construir esta carreira, analise o que você ganhou estando nesta profissão até hoje e avalie se faz sentido abandoná-la. Qual a conclusão?

 

imagem via redshorts/Corbis
imagem via redshorts/Corbis

Onde você lê/ouve: Mães ABANDONAM CARGO DOS SONHOS para empreender

Considere: Eu gosto da minha profissão, mas não vejo como continuar nela tendo um bebê

Se você estava querendo desistir da sua profissão, mas na verdade a ama, pode ser interessante levantar o que te falta na atual profissão ou emprego ou na vida! Alguma necessidade sua não está sendo suprida. Escreva em um papel o que falta na sua vida (realidade x expectativa) e crie planos de execução, assim você não precisa sacrificar sua carreira ou seus sonhos. Parece fácil escrever em um papel, mas nossos sabotadores são fortes. Eles fazem com que esta simples tarefa fique difícil ou muitas vezes superficial.

Busque por apoio, um processo de coaching pode te ajudar a criar planos de ações, auxiliar na descoberta do estilo de vida que deseja ou te ajudar a continuar com sua profissão e suprir suas necessidades.

 

Onde você lê/ouve: Mulher depois que se tornou mãe, SE DESCOBRE abandona cargos do sonho para empreender

Considere: Eu gosto da minha profissão, mas não vejo como continuar nela tendo um bebê. EU SEMPRE QUIS SER… [coloque aqui a profissão dos seus sonhos]

Nasce um bebê, com ele nasce uma mãe e nasce também uma outra pessoa com licença poética para mudar tudo que quer na vida, começar tudo do zero, inclusive uma carreira! Você realmente acredita que esta atual profissão não faz parte do seu propósito, por isso, uma mudança de carreira é necessária? Uau! Parabéns por esta análise, eis que você tem um grande desafio pela frente: mudar de carreira.

Busque entender os motivos pelos quais estão te fazendo sair da profissão atual. Mas não deixe ela para trás! Carregue sempre tudo que você já construiu ou experienciou! Não tem dessa de deixar todos os conhecimentos adquiridos para trás! Isso causa angustia de que você “perdeu tempo” sendo que na verdade existe a possibilidade de aplicar os conhecimentos adquiridos ou as experiências vividas de uma outra forma, em uma nova profissão. Busque apoio para passar por este processo e siga em frente com seu propósito!

 

Ser empreendedora irá te OFERECER um ESTILO DE VIDA que você não tem na tua atual profissão?

Esta é uma análise mais profunda. Foi o que aconteceu comigo com ajuda do meu coach e vendo a evolução das minhas coachees. Eu diria que o formato antigo da minha profissão não era o que eu queria (CLT, trabalhar 8h por dia, sem tempo para fazer outras coisas da minha vida). O que me matava era exatamente essa doação, onde o retorno não valia a pena. Hoje, eu consigo levar a minha profissão (Psicologa Organizacional e Coach) para meu empreendimento, mas o que quero que vocês avaliem é: qual o estilo de vida que vocês querem ter?

Eu encontrei na forma de ser empreendedora (autônoma), a possibilidade de organizar minha agenda conforme minhas demandas. Eu consigo levar meu filho no pediatra sem ter que mentir para meu chefe ou ficar dando satisfações do meu tempo fora do trabalho. Eu não tenho uma visão romantizada do empreendedorismo materno, mas já tive! Fui mudando aos poucos.

Hoje o empreendedorismo faz parte da minha vida de forma muito realista e digo que não é fácil. É necessário muita energia para o empreendimento, é necessário ganhar dinheiro com ele (mesmo que seja apenas para o suficiente), é necessário foco e disciplina. Fui percebendo as minhas reais necessidades, tentando deixar o bebê de fora para olhar para dentro. Fui analisando o que eu ainda não tinha para esta nova empreitada. Também fui alocando a minha experiência como fortaleza para que isso pudesse dar certo. Estou longe de ser a empreendedora do ano. Hoje consigo dizer o eu que preciso, o que já tenho e o que me deixa satisfeita trabalhando com o que trabalho.

 

Busque compreender qual é o estilo de vida que você quer levar. A profissão deve entrar dentro deste estilo de vida e não o contrário, pois se não, você pode cair no romantismo de talvez ser uma empreendedora, onde na verdade, não é isso que você quer.

Seja consciente nas suas ações, mesmo quando temos um grande motivado ao lado com os olhinhos sedentos. E se precisar de ajuda, vem falar comigo! Você pode me encontrar no https://www.facebook.com/ludcoach, sempre aqui na SOS MÂES, no insta e medium @ludcoach.

comentários

Ao longo da minha experiência como Psicóloga, me tornei a mãe do Edu e do Léo e eles são responsáveis pela trajetória de autoconhecimento mais intensa da minha vida, a maternidade. Mestre em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações, consultora, Jobseeker e Coach de carreiras e de transição. Busco através do meu propósito, ajudar outras pessoas a passarem por momentos de transição em suas vidas. Colunista do SOS MÃES na coluna "Carreira de Mãe", discuto vários dilemas da profissional-mãe (ou mãe-profissional?).

Deixe uma resposta