Dicas sobre o parque Beto Carrero World

O relato abaixo é uma contribuição de uma das famílias colaboradoras de Com Filhos por aí! A mamãe Marcele Garrido conta como foi a viagem para conhecer o parque Beto Carrero World com o esposo Daniel Garrido e seus filhos Yuri (8 anos) e Igor (5 anos). Aproveite as dicas e informação dessa família que adora viajar e curtir com os filhos por aí!

Filho e mãe em parque de diversão
Igor e Marcele no brinquedo Bate bate

O parque Beto Carrero Wold me surpreendeu. Os meninos amaram o passeio, disseram que se divertiram tanto quanto na Disney e queriam voltar para mais um dia. Pela informação que tem na parede da sala vip, é o 6o melhor parque do mundo e o melhor da América Latina (2014).

Passamos dois dias lá. Um dia só realmente não dava para aproveitar todas as atrações. Os shows, por exemplo, pelos horários disponíveis não dá pra você ir em todos, os horários chocam. Mas se você só tiver um dia, dá para curtir quase tudo e sair satisfeito.

Em dois dias, nós voltamos em atrações que tínhamos feito no dia anterior, fomos em todos os shows, não ficamos parados um minuto. Chegávamos na abertura do parque e íamos embora no fechamento.

Pai e filhos
Daniel, Yuri e Igor com um dos animais do Parque.

Nos outros dias, nós também fomos passear no Parque Unipraias, em Balneário de Camboriú, onde os meninos adoraram o trenó que sai a 60km/h, a Vila dos Duendes e o Teleférico.

Mas o parque Beto Carrero para eles foi tudo. O que eles mais gostaram de ir foi na montanha russa do Tigor e no Bate Bate. O Yuri amou o almoço com os cavaleiros no show Excalibur, mas o Igor ficou com um pouco de medo, principalmente com o sangue jorrando dos personagens. Nós (os adultos) curtimos a montanha russa Fire Whip, que não perdeu em nada para algumas dos parques da Disney.

criança sendo medida
Igor sendo medido pela funcionária do parque. Depois disse ele ganhou uma pulseira com sua altura.

Um ponto muito interessante e diferente que tem na entrada do parque é um espaço onde os funcionários medem as crianças e colocam uma pulseirinha nelas para facilitar a medição nos brinquedos que têm restrição de altura. Reparei que nem todos passam lá para medir a criança, pois vi umas duas vezes funcionários tendo de medir na porta da atração.

Em todos os brinquedos, que necessitam, têm uma régua de medição na entrada da fila e na entrada para o brinquedo. E as pessoas podem medir a criança antes de entrar na fila para não gerar expectativa e a criança ser barrada na entrada do brinquedo. Outro ponto legal é que em alguns brinquedos (principalmente da área que as crianças menores podem ir) têm bancos próximos a fila e ao brinquedo.

Yuri e Igor se divertindo
Yuri e Igor se divertindo

As atrações têm selo de qualidade e informação que foram vistoriadas, deixando o público bem seguro. Um ponto super positivo é o acolchoamento de partes de brinquedos que têm impacto, como o cinto de segurança do bate bate e das montanhas-russas.

Sobre o tempo

Fomos no fim de julho passado. Nessa época o parque abre 30 minutos mais cedo (8h30) e fecha às 19h, porém os brinquedos só abrem às 9h. É frio, mas suportável. Pegamos dias entre 15 e 18 graus.

Os brinquedos que molham abrem durante o inverno e molham de verdade. Sempre tem gente que sai pouco molhado e outros que molham até o bumbum. Nós levamos capas de chuva, mas não impediu do Yuri sair com o tênis enxarcado porque não conseguiu deixar o pé pra cima.

20160728_101630
Um dos shows que a família assistiu no Parque.

Shows

A entrada para os shows não perde em nada para os shows da Disney e os bancos chegam a ser idênticos, a mesma estrutura de plateia. A diferença é a qualidade dos show. O sonho de cowboy foi muito bonito, emocionante. Teve cerca de 45 minutos e conta uma historia onde o Beto (cowboy) chega em uma cidade dominada por um cowboy malvado. No final da história, uma mensagem de que podemos conseguir o que quisermos e devemos sonhar é passada e imagens do Beto Carrero são transmitidas no telão.

O show do Madagascar foi bonito, mas não dá para ver o telão inteiro de qualquer parte da plateia. Uma estrutura no meio do palco atrapalha a visão, o que foi um ponto bem negativo. Fora isso, a parte do show com quatro homens em bicicletas e depois na cama elástica é muito legal. A história da malvada atrás dos animais de Madagascar poderia ser mais explorada pois as crianças se animaram com os bichos, mas o show todo só teve cerca de 18 minutos.

Outro show que fomos foi o Excalibur (esse é pago a parte e tem 3 horários de show). Aconselho chegar algum tempo antes do show para comprar a bebida (tem um caixa na entrada onde pagamos e pegamos o tíquete). Lá dentro, quando, já acomodados, entregamos o tíquete e depois eles trazem as bebidas. Almoçamos no local. O prato vinha pronto e serviam rápido, logo que chegamos ao show atendentes já vem nos servir. Era bem servido e bem temperadinho, tinha carne, frango, arroz, fritas, cenoura e brócolis. As coroas já estavam na mesa para usarmos.

O show é bem parecido com o Medieval Times de Orlando, em que cavaleiros passam por provas. O show dura cerca de 1h30min e é bem montado (tem até sangue jorrando), envolvem bastante a torcida, mas o Igor (5 anos) ficou bastante assustado com a maldade e morte. Tive que mostrar que os atores estavam respirando, que era só de mentira.

O Velozes e Furiosos show é bem parecido com show da Universal Studios de Orlando. Eles anunciam que os pilotos do parque são considerados os melhores do mundo. O show é muito bom, com cerca de 35 minutos de duração. Eles dão brindes ao público (passeio em um carro, kart e levam 1 pessoa pra passear em um carro do show na hora do show).

O show Blum também é muito bonito. Usam o tema aquático para apresentarem malabaristas e atirador. As crianças ficaram super animadas.

Serviços

Tem Wifi no parque, mas não conseguimos usar. Não achei o aplicativo do parque muito bom.

A praça de alimentação é bem completa e ainda existem outros restaurantes espalhados pelo parque (como o do velozes e furiosos, um de pastéis, uma cervejaria na área sobre a Oktoberfest). Tem diversas barraquinhas com pipoca, algodão doce, batatinhas e balas espalhadas pelo parque.

Os preços de comida não são baratos como fora do parque, mas normal de parque de diversão. Tem a opção de buffet livre a R$ 39 reais e 25 criança, buffet a quilo por R$ 65/Kgo e opções de sanduíches, por exemplo, a R$ 25 sanduíche e batata frita. Tem ainda crepes e cachorro quente. E um carrossel de 2 andares (um dos 3 únicos no mundo) no meio da praça de alimentação.

Compras no parque

No parque tem opções de compras de todos os preços (chaveiros de R$ 3, roupa de cavaleiro por R$ 30, chapéu de cavaleiro R$ 20, espada de madeira por R$ 15 e um chicote do Beto Carrero para criança por R$ 20 reais). Os itens personalizados do Beto têm preços mais altos ( R$ 70 um boné). Agora o preço dos bichos de pelúcia são bem salgados. Tem Shrek e bichos do Madagascar entre R$ 150 e 210.

Hospedagem

Ficamos no hotel Brasil. Fomos e voltamos a pé para o parque, mas nessa região tem outros hotéis também. O ponto positivo é ser perto de restaurantes, lojinhas, padaria e ect. Alugamos um carro, mas ficou 2 dias parado no estacionamento do hotel quando estávamos no Beto Carrero.

Se você pretende ir ao Beto Carrero World espero que você se divrita como nós nos divertimos!

Marcele Garrido

Gostou das dicas? Compartilhe com os amigos!

Já foi ao Beto Carrero? Deixe suas dicas nos comentários abaixo!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.